a

Douro

Englobando três Patrimónios Mundiais da Humanidade reconhecidos pela UNESCO, não faltam motivos para visitar a região do Vale do Douro, um dos mais belos tesouros de Portugal.

No Centro Histórico do Porto, construído ao longo das margens do rio Douro sobranceiras à sua foz, encontra-se um conjunto notável de edifícios históricos, alguns dos quais relacionados diretamente com a atividade vinícola, que testemunharam o desenvolvimento urbano ao longo de vários séculos. Na margem oposta, em Vila Nova de Gaia, concentra-se a atividade comercial do vinho do Porto e as suas famosas caves.

Seguindo o curso do rio dourado, chega-se ao Alto Douro Vinhateiro. Esta é uma terra de tradições, um local de encantamento e misticismo, que se estende por uma área imensa onde a Natureza é quem reina, numa simbiose perfeita com a atividade humana, que moldou os socalcos, nas encostas abruptas do rio Douro e seus afluentes e organizou a produção de vinho em quintas, acedidas por estradas cénicas sinuosas. Existem registos de produção de vinho na região com mais de dois mil anos, mas só a partir de 1756 a vitivinicultura se começou a organizar e afirmar internacionalmente com a criação da Região Demarcada do Douro, a primeira no mundo, percursora de uma aliança entre tradição e modernidade que perdura até aos nossos dias. Como exemplos de tradição, encontra-se a vindima manual e a pisa a pé, enquanto, pela modernidade, se destaca a classificação de aptidão vinícola de todas a propriedades e a utilização dos mais modernos processos de vinificação.

Mais a leste, numa região de rara beleza onde o rio Côa se entrelaça com o Douro, ergue-se o Sítio Pré-histórico de Arte Rupestre do Vale do Rio Côa, um vasto património arqueológico que repousa há milénios naquele vale, e que constitui um exemplo único das primeiras manifestações de criação simbólica da humanidade, e do início de desenvolvimento cultural, que remonta ao Paleolítico.

Fonte: Douro valley